ARTIGOS

Segmentos de Listagem: qual é o melhor para ações?

Imagem destacada com cifrões e indicadores crescentes seguimentos de listagem

Entenda o que são os segmentos de listagem, como eles funcionam e qual o melhor na hora de escolher as suas ações.

Fala, meu caro! Vou começar o texto de hoje com alguns questionamentos: como você tem escolhido as ações que vão compor a sua carteira? Quais critérios você tem usado?

Já falamos por aqui sobre como escolher as melhores ações. E ainda sobre isso, hoje você vai entender o que são segmentos de listagem e como eles podem influenciar nos seus investimentos.

Além disso, depois de saber como cada um funciona, vou te indicar qual o melhor deles, para que você possa investir de verdade e com mais segurança. Vem comigo!

O que são segmentos de listagem da Bolsa?

Em primeiro lugar, o Segmento de Listagem é uma classificação de governança corporativa. Essa classificação é dada às empresas pela própria B3. Ou seja, a bolsa de valores verifica se alguns critérios da empresa estão de acordo com as suas diretrizes. Por isso, quanto mais de acordo com os princípios da B3, melhor será o segmento de listagem da companhia.

Mas, afinal, quais são esses critérios avaliados? Eles se referem a boas práticas de transparência da empresa, como ser muito bem auditada, por exemplo. O que vai oferecer grande segurança para os seus sócios minoritários. Assim, quanto mais transparente a empresa for — cultivando boas práticas de gestão e oferecendo segurança —, melhor será sua classificação dentro do segmento de listagem.

Tais segmentos são, portanto, categorias que dividem as empresas listadas na bolsa, de acordo com o seu nível de governança. Essa é uma forma de mostrar aos investidores os processos internos das empresas, bem como o seu comprometimento com o mercado.

Quais são os segmentos de listagem?

Nesse sentido, são cinco os segmentos de listagem da Bolsa de Valores brasileira. A seguir, vou falar sobre cada um deles.

Bovespa mais

A B3 criou o segmento de listagem Bovespa Mais, para contribuir com o desenvolvimento do mercado de capitais brasileiro. Isso com o objetivo de receber empresas que desejam acessar o mercado de maneira gradual.

Além disso, essa categoria facilita a entrada de empresas de pequeno e médio porte, que possuem boas práticas de governança. Uma vez que podem ter uma listagem gradual, as companhias têm um prazo de até 7 anos, após entrar na B3, para fazer a sua primeira oferta pública — o IPO.

As exigências que esse segmento coloca para as empresas são:

  • não listar ações preferenciais (PN), somente ordinárias (ON); e
  • oferecer 100% de tag along.

Bovespa mais nível 2

O segmento de listagem Bovespa mais nível 2 é bastante parecido com o primeiro, Bovespa mais. O que muda é que, além do que já foi dito daquele, neste é permitida não só a negociação de ações ON, mas também a de PN. Nesse sentido, ambas devem oferecer tag along de 100%.

Se você ainda não sabe o que é tag along, entenda aqui o que ele é e como pode proteger os seus investimentos.

Novo Mercado

Segmentos de listagem é um dos tópicos a se avaliar ao comprar uma ação

Conforme o que foi dito acima, o segmento de listagem ao qual a empresa está inserida indica o seu nível de governança. O que inclui a transparência e a segurança que ela oferece ao investidor e ao mercado.

Dessa forma, a categoria Novo Mercado engloba empresas que se comprometem a cumprir certas exigências de fiscalização. Também é necessário divulgar determinadas informações e garantir alguns direitos para os acionistas.

Esse segmento permite apenas a oferta de ações ordinárias (ON) e o tag along deve ser de 100%, obrigatoriamente. Além disso, a B3 exige que o conselho de administração inclua pelo menos 3 membros e que 20% — ou 2 deles — sejam independentes.

Por fim, existem ainda outras duas condições para que empresas estejam no Novo Mercado:

  • publicar todos os acontecimentos importantes sobre os resultados em português e inglês, ao mesmo tempo;
  • realizar uma reunião pública — presencial ou a distância — até 5 dias úteis após cada divulgação trimestral dos resultados.

Sendo assim, esse é um segmento direcionado às empresas nas quais o nível de governança corporativa é alto. Tudo deve ser transparente e muito bem administrado. A Magazine Luiza (MGLU3), por exemplo, é uma das empresas que fazem parte da categoria do Novo Mercado.

Nível 1

Antes de mais nada, o nível 1 é a categoria menos rígida de governança entre os segmentos de listagem, pois requer uma menor quantidade de informações da companhia. As empresas de nível 1 devem manter ao menos 25% das ações em circulação no mercado — o que é conhecido como free float.

O tag along deve ser de 80%, para ações ordinárias (ON). Já para as ações preferenciais (PN) não há regra específica. Além disso, as empresas desse segmento precisam divulgar o calendário de eventos e realizar ao menos uma reunião pública por ano.

Por fim, elas também devem comunicar o seu código de conduta, bem como sua política de negociação. Itaú Unibanco (ITUB4) e Bradesco (BBDC4), por exemplo, são companhias de nível 1.

Nível 2

O nível 2 possui as mesmas exigências do 1 e mais. Nesse caso, o tag along deve ser de 100% não só para as ações ON, como também para as PN.

No que diz respeito ao conselho de administração, funciona de maneira idêntica ao Novo Mercado: 20% dos membros precisam ser independentes. Por fim, a publicação de dados financeiros também deve ser feita em português e inglês, ao mesmo tempo.

Tudo isso com a finalidade de oferecer ainda mais segurança ao investidor. Alguns exemplos da categoria nível 2 são o Banco Inter (BIDI11) e a Petrobras (PETR3/PETR4).

Qual é o melhor dos segmentos de listagem?

Você já entendeu que quanto mais transparência a empresa oferecer, bem como segurança e boas práticas, mais bem classificada ela fica dentro do Segmento de listagem. No entanto, como saber qual é o melhor?

As três classificações principais são

  • Tradicional: é a menor, dentro das comuns, pois não apresenta uma boa governança — tendo em vista os critérios acima;
  • Nível 1 e nível 2: tais empresas possuem um bom segmento de listagem, atendem práticas de transparência e mantêm uma boa relação com os sócios minoritários. No entanto, ainda não são excelentes, quando consideramos os aspectos de governança;
  • Novo Mercado: este é o melhor segmento de listagem, nesse caso, as empresas atendem grande parte dos critérios de transparência e de boa relação com os sócios, transmitindo segurança.

Na Metodologia de Verdade — a que ensino aos meus alunos —, nós vamos procurar empresas que sejam Novo Mercado, elas serão o ideal. Isso porque empresas desse segmento possuem, obrigatoriamente, ações com 100% de tag along, bem como 25% de free float — o que já faz com que essa categoria seja extremamente importante na hora de escolher as ações que vão compor a sua carteira.

No entanto, também vamos tolerar as categorias Tradicional e Nível 1 e Nível 2, uma vez que algumas empresas têm dificuldade de realizar a transição para Novo Mercado, por serem muito antigas. Então, ainda que algumas companhias não estejam na categoria ideal, que é o segmento de Novo Mercado, se os outros aspectos forem positivos, não vale a pena eliminá-las.

Gostou desse conteúdo? Faça parte do nosso Grupo de Verdade, assim você tem acesso a conteúdos novos toda semana e aprende mais sobre como funcionam os investimentos.

Mais artigos sobre Ações, Mercado, Renda Variável

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts mais lidos

Newsletter

Junte-se a milhares de investidores de verdade e fique por dentro de todas as novidades! Coloque seu e-mail abaixo para receber as atualizações do blog.

Deixe seu melhor e-mail abaixo para participar: